Cidade do AC enfrenta maior cheia dos últimos dez anos e 12 famílias estão desabrigadas

29 de novembro de 2018
14:26
Administrador

O nível do Rio Juruá chegou aos 12 metros na manhã desta quinta-feira (29) em Marechal Thaumaturgo, interior do Acre. A cota é a maior registrada nos últimos dez anos no município, que fica a três dias de barco de Cruzeiro do Sul. Por conta da cheia, 12 famílias já tiveram que deixar suas casas.

Os bombeiros estipularam este ano ainda a cota de transbordo, que é de 11 metros. Até então, o município não trabalha com essas medições, por isso, não há cota de alerta para o rio.

A prefeitura tem feito o monitoramento diário das áreas afetadas pela alagação e algumas comunidades tiveram o fornecimento de energia elétrica suspenso. Na Restauração, uma das maiores comunidades rurais, a escola está sem funcionar desde terça-feira (27) e o posto de saúde também está inundado.

Nesta quarta-feira (28), a prefeitura teve que retirar 12 famílias de suas casas que foram invadidas pela água. Os desabrigados foram levados para casas alugadas pelo município.

De acordo com o prefeito Isaac Pianko, em várias comunidades existem centenas de casas atingidas pela enchente, mas os moradores preferem permanecer, mesmo tendo que conviver com a água chegando ao assoalho.

“Estamos querendo tirar, mas, geralmente as famílias não querem deixar suas casas para cuidar de suas coisas e a gente continua monitorando e, na hora que acharem que querem sair, a gente tira”, garantiu Pianko.

Para as comunidades que estão sem água tratada, o município está providenciando o fornecimento. Além disso, a Secretaria de Saúde está fazendo atendimento aos moradores que são afetados pela enchente.

A expectativa do prefeito é que o volume de água comece a baixar nos próximos dias. De acordo com o Corpo de Bombeiros, a previsão é que o nível se mantenha estável durante esta quinta-feira e apresente sinais de vazante a partir de sexta-feira (30). A expectativa do prefeito é que essas previsões se confirmem para evitar mais prejuízos para os moradores.
   “Vamos esperar esse resultado, porque já temos informações de que aqui para o Alto Juruá e para o Rio Amônia já comecem a dar sinais de vazante e espero que logo”, acredita. Veja mais em G1-ACRE